O PAPEL DAS COMPLEMENTARIDADES E HIERARQUIAS NO PROCESSO DE MUDANÇA INSTITUCIONAL: O CONTROLE EXTERNO E A ASSIMILAÇÃO DAS REFORMAS DOS ANOS 1990

Emiliano Rodrigues Brunet

Resumo


As instituições exercem um papel fundamental na configuração e operação de um modelo de desenvolvimento econômico. No Brasil, desde os anos 1930 até os dias atuais, o dirigismo do Poder Executivo e a sua ampla margem de discricionariedade política constituem um traço marcante na estruturação e operação do ambiente institucional correlato ao desenvolvimento. As reformas dos anos 1990, enquanto tentativa de reconfigurar um modelo de desenvolvimento por meio da intervenção no ambiente institucional, reproduzem esta característica marcante. Todavia, a capacidade política de reformular um modelo de desenvolvimento sofre uma série de condicionantes. Acreditamos que, no âmbito dessa discussão, o exame do papel desempenhado pelas instituições de controle em um contexto de reformas pode ajudar a melhorar nossa compreensão dos mecanismos de mudança institucional. Que papel uma instituição relevante de controle externo, como o Tribunal de Contas da União (TCU), teria jogado no processo de endogeneização de novas instituições trazidas com a agenda reformista? No enfrentamento de tais questões, tomaremos como objeto de exame empírico algumas das respostas do TCU – seja no plano de sua reorganização administrativa, seja no exercício de sua atividade-fim – a determinadas reformas do ambiente institucional entre a segunda metade da década de 1990 e o início dos anos 2000. Avaliamos em que medida o caso examinado apresenta as características de um processo de síntese, no contexto do qual se revela a influência que complementaridades e hierarquias podem exercer na assimilação de reformas no arcabouço institucional.


Palavras-chave


Instituições; Mudança Institucional; Sínteses e complementaridades; Regulação e desenvolvimento

Texto completo:

PDF

Referências


ACEMOGLU, Daron; JOHNSON, Simon; ROBINSON, James A. The colonial origins of comparative development: An empirical investigation. American economic review, v. 91, n. 5, p. 1369-1401, 2001.

AMABLE, Bruno; PALOMBARINI, Stefano. A neorealist approach to institutional change and the diversity of capitalism. Socio-economic review, v. 7, n. 1, p. 123-143, 2008.

ARAGÃO, Alexandre Santos de. Agências Reguladoras e a Evolução Do Direito Administrativo Econômico . Rio de Janeiro: Editora Forense, 2002.

BEMERGUY, Marcelo. O Papel do Controle Externo na Regulação de Serviços de Infra-estrutura no Brasil. Brasília: TCU, 2008.

BIZBERG, Ilán. Tipos de capitalismo en América Latina. Ciudad de Mexico, Mexico: El Colegio de Mexico, 2013.

BOSCHI, Renato. Politics and Trajectory in Brazilian capitalist development. In: Uwe Becker (Ed.). The BRICs and Emerging Economies in Comparative Perspective: Political Economy, Liberalisation and Institutional Change. London: Routledge, 2013.

BOSCHI, Renato e LIMA, Maria Regina Soares de. O Executivo e a Construção do Estado no Brasil: Do Desmonte da Era Vargas ao Novo Intervencionismo Regulatório. In: Werneck Vianna, L. A democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte: editora UFMG/IUPERJ, 2002.

BOYER, Robert. Diversité et évolution des capitalismes en Amérique Latine. De la régulation économique au politique. Révue de la Régulation [en ligne], 2012, 1º semestre, n. 11.

BRASIL. MARE – MINISTÉRIO DE ADMINISTRAÇÃO E REFORMA DO ESTADO. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. 1995.

BRASIL. TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. O controle externo das agências reguladoras. Questões relevantes sobre o setor de rodovias, de ferrovias e de transporte rodoviário de passageiros. 2005. Disponível em: < https://portal.tcu.gov.br/biblioteca-digital/o-controle-externo-das-agencias-reguladoras-questoes-relevantes-sobre-o-setor-de-rodovias-de-ferrovias-e-de-transporte-rodoviario-de-passageiros.htm>. Acesso em: 26 dez. 2018.

BRASIL. TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. O controle externo das agências reguladoras. Questões relevantes sobre o setor elétrico e de petróleo e gás natural. 2003. Disponível em: < https://portal.tcu.gov.br/biblioteca-digital/o-controle-externo-das-agencias-reguladoras-questoes-relevantes-sobre-os-setores-eletrico-e-de-petroleo-e-gas-natural.htm>. Acesso em: 27 dez. 2018.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Globalização e Competição. Por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não? São Paulo: Elsevier-Campus, 2010.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Reforma do Estado para a Cidadania. A Reforma Gerencial Brasileira na Perspectiva Internacional. Brasília: ENAP, 1998.

BRUNET, Emiliano. Reforma do Estado no Governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Ideologia reformista, economicismo e direito em uma época de mudanças. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

CHANG, Ha-Joon. Institutions and economic development: theory, policy and history. Journal of Institutional Economics, v. 7, n. 04, p. 473-498, 2011.

DALLARI, Adilson Abreu. Controle político das agências reguladoras. Interesse Público, Porto Alegre, n. 18, p. 13-20, 2013.

DINIZ, Eli. O Contexto Internacional e a Retomada do Debate sobre Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo. In: Gaitán, Flávio e Del Rio, Andrés (orgs). Instituições Política e Desenvolvimento. América Latina Frente ao Século XXI. Curitiba: Editora CRV, 2013.

FIANI, Ronaldo. Arranjos Institucionais e Desenvolvimento: o Papel da Coordenação em Estruturas Híbridas. In: Gomide, Alexandre de Ávila e Pires, Roberto Rocha (orgs.). Capacidades Estatais e Democracia. Arranjos Institucionais de Políticas Públicas. Brasília: IPEA, 2014.

GLAESER, Edward L. et al. Do Institutions Cause Growth?. Journal of Economic Growth, v. 9, n. 3, p. 271-303, 2004.

MELO, Marcus André. A política da ação regulatória: responsabilização, credibilidade e delegação. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, vol. 16, n. 46, p. 56-68, 2001.

NORTH, Douglass. Instituições, mudança institucional e desempenho econômico. São Paulo: Três Estrelas, 2018.

NORTH, Douglass C.; WEINGAST, Barry R. Constitutions and Commitment: The Evolution of Institutions Governing Public Choice in Seventeenth-Century England. The Journal of Economic History, v. XLIX, n. 4, 1989.

PRZEWORSKI, Adam. The last instance: Are institutions the primary cause of economic development? European Journal of Sociology, v. 45, n. 2, p. 165-188, 2004.

RODRIK, D.; SUBRAMANIAN, A. e TREBBI, F. Institutions rule: the primacy of institutions over geography and integration in economic development. Journal of Economic Growth, v. 9, n. 2, p. 131-165, 2004.

SOUTO, Marcos Juruena V. Direito Administrativo em debate. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

ZYMLER, Benjamin. O papel do Tribunal de Contas da União no Controle das Agências Reguladoras. In: Fórum Administrativo. Belo Horizonte, v. 2, n. 11, p. 03-07, 2002.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v5i2.319

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Emiliano Brunet

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia