REVISITANDO DADOS E ARGUMENTOS NO DEBATE SOBRE JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE

Daniel Wei Liang Wang

Resumo


Em artigo de intrigante título, “De graça até injeção na testa? Dez mitos da literatura crítica e uma defesa da judicialização da saúde baseada em evidências”, Pedro Fortes faz a crítica da crítica à judicialização da saúde. Seu argumento central é que os estudos críticos da judicialização da saúde propagariam dez mitos sobre a atuação do Judiciário em matéria de pedidos de tratamentos médicos. O artigo os chama de “mitos” porque não seriam baseados em evidências, mas sim “afirmações teóricas, hipóteses não testadas, especulações sugeridas ou opiniões ideológicas” (FORTES, 2021, p. 229).

O debate franco, em que divergências são expostas de forma clara e direta, é sempre bem-vindo. Isso mantém o ambiente acadêmico vivo, vibrante e útil. É este o espírito do presente comentário de reação ao artigo de Fortes. Não pretendo defender uma tese nem refutar cada ponto com o qual discordo deste texto. Houve e haverá outros fóruns para isso. Quero apenas apontar que este artigo incide em duas falácias. Primeiro, a “falácia do espantalho”, pois dialoga com uma versão distorcida e empobrecida daquilo que ele chama de “literatura crítica” e não com o que essa literatura realmente defende. Segundo, faz uso de um tipo de argumentum ad ignorantiam que considera a falta de evidência de que algo seja verdade como evidência de que seja falso, e ainda afirma serem inexistentes evidências a que ele não prestou devida atenção. 


Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, Carla Estefânia. Análise sobre a judicialização da saúde nos municípios. Revista técnica CNM 2016, p. 151-176. Disponível em: .

BARROSO, Luís Roberto. Da falta de efetividade à judicialização excessiva: direito à saúde, fornecimento gratuito de medicamentos e parâmetros para a atuação judicial. Revista Jurisprudência Mineira, v. 60, n. 188, p. 29-60, jan./mar. 2009.

BIEHL, João et al. Between the Court and the Clinic: Lawsuits for Medicines and the Right to Health in Brazil. Health and Human Rights: An International Journal, v. 14, n. 1, p. 1-17, 2012. Disponível em: < https://www.hhrjournal.org/2013/08/between-the-court-and-the-clinic-lawsuits-for-medicines-and-the-right-to-health-in-brazil/>.

BIEHL, João; SOCAL, Mariana P.; AMON, Joseph J. The Judicialization of Health and the Quest for State Accountability: Evidence from 1,262 Lawsuits for Access to Medicines in Southern Brazil. Health and Human Rights, v. 18, n. 1, p. 209-220, 2016a. Disponível em: .

BIEHL, João; SOCAL, Mariana P.; AMON, Joseph J. Response to letter to the editor - On the Heterogeneity and Politics of the Judicialization of Health in Brazil. Health and Human Rights, v. 18, n. 2, p. 269-271, 2016b. Disponível em:

.

BORGES, Danielle da Costa Leite; UGA, Maria Alicia Dominguez. Conflitos e impasses da judicialização na obtenção de medicamentos: as decisões de 1ª instância nas ações individuais contra o Estado do Rio de Janeiro, Brasil, em 2005. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 26, n. 1, p. 59-69, jan. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000100007.

BRINKS, Daniel M.; GAURI, Varun. The Law's Majestic Equality? The Distributive Impact of Judicializing Social and Economic Rights. Perspectives on Politics, v. 12, n. 2, p. 375-393, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1017/S1537592714000887.

CARVALHO, Maria Amélia Senos de. Impactos da Judicialização da Saúde e da Pandemia na Justiça Federal. In: AJUFERJES, 2021. Disponível em:

.

CHIEFFI, Ana Luiza; BARATA, Rita de Cássia Barradas. Judicialização da política pública de assistência farmacêutica e eqüidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 25, n. 8, p. 1839-1849, Aug. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000800020.

CHIEFFI, Ana Luiza; BARATA, Rita de Cássia Barradas; GOLBAUM, Moisés. Legal access to medications: a threat to Brazil’s public health system? BMC Health Serv Res, v. 17, 2017. DOI: https://doi.org/10.1186/s12913-017-2430-x.

CREPALDI, Thiago; MORAES, Claudia. Judicialização da saúde beneficia mercado e prejudica sociedade, diz pesquisador. Consultor Jurídico, 12 mar. 2018. Disponível em: .

CONSTITUTIONAL COURT OF SOUTH AFRICA. Case CCT 32/97. Thiagraj Soobramoney v. Minister of Health (Kwazulu-Natal). Julgado em 27 nov. 1997. Disponível em: .

DANIELS, Norman & SABIN, James. Setting Limits Fairly: learning to share resources for health. Oxford: Oxford University Press, 2008.

DINIZ, Debora; MACHADO, Teresa Robichez de Carvalho; PENALVA, Janaina. A judicialização da saúde no Distrito Federal, Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 19, n. 2, p. 591-598, fev. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014192.23072012.

FERRAZ, Octavio Luiz Motta. Harming the Poor Through Social Rights Litigation: Lessons from Brazil. Texas Law Review, v. 89, n. 7, p. 1643-1668, 2011. Disponível em: .

FERRAZ, Octavio Luiz Motta. Moving the Debate Forward in Right to Health Litigation. Health and human rights, v. 18, n. 2, p. 265-268, 2016. Disponível em: .

FERRAZ, Octavio Luiz Motta. Health as a human right. Cambridge University Press, 2020. DOI: https://doi.org/10.1017/9781108678605.

FIGUEIREDO, Tatiana Aragão. Análise dos medicamentos fornecidos por mandado judicial na Comarca do Rio de Janeiro: A aplicação de evidências científicas no processo de tomada de decisão. 1ª Orientadora: Vera Lúcia Edais Pepe. 2ª Orientadora: Claudia Garcia Serpa Osorio-de-Castro. Dissertação de Mestrado – Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: .

FORTES, Pedrum Rubim Borges. De graça até injeção na testa? Dez mitos da literatura jurídica crítica e uma defesa da judicialização da saúde baseada em evidências. Revista Estudos Institucionais, v. 7, n. 1, p. 226-275, jan./abr. 2021. DOI:

.

GOMES, Paulo. 'Não lido com o cofre', diz ministra do STF sobre judicialização da saúde. Folha de S. Paulo, 7 nov. 2016. Disponível em:

.

KAPCZYNSKI, Amy. The Right to Medicines in an Age of Neoliberalism. Humanity, v. 10, n. 1, p. 79-107, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1353/hum.2019.0003.

KING, Jeff. Judging social rights. Cambridge University Press, 2012. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139051750.

KOMESAR, Neil K. Imperfect Alternatives: Choosing Institutions in Law, Economics, and Public Policy. University of Chicago Press, 1997.

LEAL, Fernando; ARGUELHES, Diego Werneck. Dois Problemas de Operacionalização do Argumento de “Capacidades Institucionais”. REI-Revista Estudos Institucionais, v. 2, n. 1, p. 192-213, 2016. Disponível em: . DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v2i1.40.

LIMA, George Marmelstein. You can’t always get what you want: repensando a judicialização da saúde com base no fornecimento de medicamentos. Revista de informação legislativa: RIL, v. 54, n. 216, p. 105-130, out./dez. 2017. Disponível em:

.

LOPES, Luciane Cruz et al. Uso racional de medicamentos antineoplásicos e ações judiciais no Estado de São Paulo. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 44, n. 4, p. 620-628, Aug. 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000400005.

MACHADO, Marina Amaral de Ávila et al. Judicialização do acesso a medicamentos no Estado de Minas Gerais, Brasil. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 45, n. 3, p. 590-598, jun. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000015.

MATTA, Silvia Melo da. Impacto das decisões judiciais na política de medicamentos. Orientador: Prof. Dr. Thiago Lopes Matsushita. Dissertação de Mestrado – Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: .

MEDEIROS, Marcelo; DINIZ, Debora; SCHWARTZ, Ida Vanessa Doederlein. A tese da judicialização da saúde pelas elites: os medicamentos para mucopolissacaridose. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, p. 1079-1088, abr. 2013. DOI:

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000400022.

MESSEDER, Ana Márcia; OSORIO-DE-CASTRO, Claudia Garcia Serpa; LUIZA, Vera Lucia. Mandados judiciais como ferramenta para garantia do acesso a medicamentos no setor público: a experiência do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 525-534, abr. 2005. DOI:

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2005000200019.

MOROZOWSKI, Ana Carolina. Judicialização da Saúde. Valor econômico, 12 jun. 2019. Disponível em: .

MOROZOWSKI, Ana Carolina. Tema 793 do STF e responsabilidade dos entes federados no SUS. Afinal, o que deve repercutir? Migalhas, 28 ago. 2020. Disponível em: .

MOROZOWSKI, Ana Carolina; WANG, Daniel Wei Liang. Soliris: a esperança na corda bamba de sombrinha. Direito em comprimidos, 20 set. 2020. Disponível em:

NAFFAH FILHO, Michel; CHIEFFI, Ana Luiza; CORREA, Maria Cecília M. M. A. S-Codes: um novo sistema de informações sobre ações judiciais da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. BEPA, Bol. epidemiol. paul. (Online), São Paulo, v. 7, n. 84, dez. 2010. Disponível em:

.

OLIVEIRA, Vanessa Elias de; NORONHA, Lincoln N. T. Judiciary-Executive Relations in Policy Making: The Case of Drug Distribution in the State of São Paulo. Brazilian Political Science Review, v. 5, n. 2, p. 10-38, 2011.

OLIVEIRA, Luciana de Veiga. O papel do Núcleo de Apoio Técnico na tomada de decisões do Poder Judiciário em controvérsias do setor de saúde. In: Seminário Decisões na Saúde - Cuidados Paliativos e Nat-Jus: Iniciativas da Medicina e do Direito que geram segurança ao paciente e sustentabilidade ao sistema, 2018. Apresentação. Disponível em: .

PRADO, Mariana Mota. The Debatable Role of Courts in Brazil's Health Care System: Does Litigation Harm or Help? Journal of Law, Medicine & Ethics, v. 41, n. 1, p. 124-137, 2013. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/jlme.12009.

ROSA, Tatiana. Judicialização na Saúde, Consensus, v. 19, abr./jun. 2016. Disponível em: .

SANTOS, Alethele de Oliveira; LOPES, Luciana Tolêdo (org.). Coletânea direito à saúde: institucionalização. Brasília: CONASS, 2018a. Disponível em:

.

SANTOS, Alethele de Oliveira; LOPES, Luciana Tolêdo (org.). Coletânea direito à saúde: dilemas no fenômeno da judicialização da saúde. Brasília: CONASS, 2018b. Disponível em: .

SANTOS, Alethele de Oliveira; LOPES, Luciana Tolêdo (org.). Coletânea direito à saúde: boas práticas e diálogos institucionais. Brasília: CONASS, 2018c. Disponível em: .

SCHULZE, Clenio Jair; GEBRAN NETO, João Pedro. Direito à saúde. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2015.

SEGATTO, Cristiane Marly dos Santos. A judicialização da saúde na percepção dos magistrados: o entendimento dos juízes de primeira instância que mais determinaram o cumprimento de demandas pela Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo entre 2005 e 2017. Orientador: Prof. Dr. Walter Cintra Ferreira Junior. Dissertação de Mestrado – Gestão para a Competitividade, Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Faculdade Getúlio Vargas, São Paulo, 2018. Disponível em:

.

SILVA, Luiza Pinheiro Alves da. Orçamento temático de acesso a medicamentos: análise de recursos federais destinados à assistência farmacêutica – avaliação das execuções financeiras do ministério da saúde com medicamentos de 2008 a 2018. Brasília: Inesc – Instituto de Estudos Socioeconômicos, 2019. Disponível em: .

SILVA, Virgílio Afonso da; TERRAZAS, Fernanda Vargas. Claiming the Right to Health in Brazilian Courts: The Exclusion of the Already Excluded, Law & Social Inquiry, v. 36, n. 4, p. 825-853, 2011. Disponível em: .

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Diário de Justiça Eletrônico nº 228, 14 set. 2020. Ata Nº 24, de 31/08/2020. RE 566471.

TAUK, Caroline. Expectativa e realidade: uma análise pragmática dos litígios de saúde. R. bras. de Dir. Público – RBDP | Belo Horizonte, v. 18, n. 68, p. 55-78, jan./mar. 2020. Disponível em: .

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Acórdão 1.787/2017-TCU – Plenário. Rel. pelo min. Bruno Dantas. Julgado em 16 ago. 2017.

VASCONCELOS, Natália Pires de. Mandado de segurança ou Ministério da Saúde? Gestores, procuradores e respostas institucionais à judicialização. Orientador: Prof. Dr. Marcos Paulo Veríssimo. Tese de Doutorado – Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

VASCONCELOS, Natália Pires de; WANG, Daniel Wei Liang. O impacto institucional da judicialização da saúde no Brasil. Revista do Advogado, 2020.

VIEIRA, Fabiola Sulpino. Direito à Saúde no Brasil: seus contornos, judicialização e a necessidade da macrojustiça. Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília/Rio de Janeiro: Ipea, 2020. Disponível em:

.

VIEIRA, Fabiola Sulpino. Indutores do Gasto Direto do Ministério da Saúde em Medicamentos (2010-2019). Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília/Rio de Janeiro: Ipea, 2021. Disponível em:

.

WANG, Daniel Wei Liang. Courts and health care rationing: the case of the Brazilian Federal Supreme Court. Health Economics, Policy and Law, v. 8, n. 1, p. 75-93, 2012. DOI: https://doi.org/10.1017/s1744133112000291.

WANG, Daniel Wei Liang. Right to Health Litigation in Brazil: The Problem and the Institutional Responses. Human Rights Law Review, v. 15, n. 4, p. 617-641, out. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1093/hrlr/ngv025.

WANG, Daniel Wei Liang. O direito à saúde cabe no orçamento? Valor Econômico, 30 ago. 2016. Disponível em: .

WANG, Daniel Wei Liang. Resposta sofisticada a problema subestimado? Valor Econômico, 10 jul. 2018a. Disponível em: .

WANG, Daniel Wei Liang. De Wednesbury unreasonableness a accountability for reasonableness: controle judicial e a alocação de recursos em saúde na Inglaterra. Trad.: ARAÚJO, Valter Shuenquener de; NASCIMENTO, Victor Felipe de Oliveira. Revista Jurídica da Presidência, v. 20, n. 121, p. 268-309, jun./set. 2018b. DOI: http://dx.doi.org/10.20499/2236-3645.RJP2018v20e121-1816.

WANG, Daniel. Entre o consequenciachismo e o principiachismo, fico com a deferência. JOTA, 20 set. 2018c. Disponível em: .

WANG, Daniel Wei Liang. Judicialização da saúde: da crítica à busca de uma jurisprudência construtiva. JOTA, 13 ago. 2019. Disponível em: .

WANG, Daniel Wei Liang. Direitos sociais e a falácia do nirvada. Revista Jurídica da Presidência, v. 21, n. 125, p. 482-513, jan. 2020a. DOI: http://dx.doi.org/10.20499/2236-3645.RJP2019v21e124-2018.

WANG, Daniel Wei Liang. Priority-setting and the Right to Health: Synergies and Tensions on the Path to Universal Health Coverage. Human Rights Law Review, v. 20, n. 4, p. 704-724, dez. 2020b. DOI: https://doi.org/10.1093/hrlr/ngaa035.

WANG, Daniel Wei Liang; FERRAZ, Octavio Luiz Motta. Atendendo os mais necessitados? Acesso à Justiça e o papel dos defensores e promotores públicos no litígio sobre direito à saúde na cidade de São Paulo. SUR, v. 10, n. 18, p. 166-189, jun. 2013.

WANG, Daniel Wei Liang; SUNDFELD, Carlos Ari. Qual o papel do Judiciário no combate à Covid-19? JOTA, 13 abr. 2020. Disponível em: .

WANG, Daniel Wei Liang et al. Os impactos da judicialização da saúde no município de São Paulo: gasto público e organização federativa. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro , v. 48, n. 5, p. 1191-1206, Oct. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-76121666.

WANG, Daniel Wei Liang et al. Health technology assessment and judicial deference to priority-setting decisions in healthcare: Quasi-experimental analysis of right-to-health litigation in Brazil. Social Science & Medicine, v. 265, 2020. Disponível em: .

DOI: https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2020.113401.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v7i2.650

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Daniel Wei Liang Wang

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia