ORGANIZAÇÃO LEGISLATIVA NO CONGRESSO NACIONAL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE SENADO FEDERAL E CÂMARA DOS DEPUTADOS

Paulo Magalhães Araújo

Resumo


Este trabalho apresenta uma análise comparada detalhada das organizações legislativas do Senado e da Câmara dos Deputados, com base nos regimentos internos de cada Casa e na Constituição Federal de 1988. O objetivo é avaliar o grau de similaridade ou divergência entre as duas casas, no tocante à distribuição de poder legisferante entre parlamentares individuais, comissões permanentes e partidos políticos. Com base em uma literatura pertinente ao tema - o novo institucionalismo de escolha racional - a análise comparada procurará revelar quais órgãos ou atores individuais ou coletivos conduzem o processo legislativo em cada Casa e que consequências isso pode ter para o padrão da representação política exercida em cada Casa. Em convergência com a literatura, observou-se que as casas são similares em muitos pontos importantes, como, por exemplo, na influência geral dos partidos e coalizões partidárias na condução dos trabalhos na Câmara e no Senado. No entanto, ressalvadas as diferenças, com base no que as teorias dizem sobre delegação, verificaram-se distinções importantes entre Senado e Câmara no peso dos partidos e das comissões (mesas) diretoras no trabalho parlamentar: maior força dos partidos na Câmara; maior força da Mesa no Senado - particularmente concentrada no presidente da Casa. 


Palavras-chave


Organização Parlamentar; Senado; Câmara dos Deputados; Estudo Comparado

Texto completo:

PDF

Referências


CAREY, J. M.; SHUGART, M. Poder de decreto: Chamando os tanques ou usando a caneta? Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 13, n. 37, p. 149-184, Janeiro-Junho, 1998.

COOPER, Joseph; BRADY, David W. Institutional Context and Leadership Style: The House from Cannon to Rayburn. American Political Science Rewiew. v. 75, n. 2, pp. 411-425, 1981.

COX, Gary & MCCUBBINS, Matheu D. Legislative leviathan: party govern in the House. Berkeley: University of California Press, 1993

EPSTEIN, D.; O'HALLORAN, S. Delegating Powers: a transaction cost politics approach to policy making. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

FENNO, Richard. U.S. House Members in Their Constituencies: An Exploration. American Political Science Review, v.71. n. 3, 1977, p. 883-917

FIGUEIREDO, Argelina e LIMONGI, Fernando. Executivo e Legislativo na Nova Ordem Constitucional. Editora FGV. Rio de Janeiro, 1999.

FIGUEIREDO, Argelina; LIMONGI, Fernando. O processo legislativo e a produção legal no congresso pós-constituinte. Novos Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 38, pp. 24-37, 1994.

FIGUEIREDO, Argelina; LIMONGI, Fernando. Congresso Nacional: organização, processo legislativo e Produção Legal. Caderno de Pesquisas CEBRAP/Entrelinhas, São Paulo, n. 5, 1996.

FIGUEIREDO, Argelina; LIMONGI, Fernando. O Congresso e as medidas provisórias: abdicação ou delegação? Novos Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 47, pp. 127-153, 1997.

GILLIGAN, Thomas; KREHBIEL, Keith. Collective decision-making and standing committees: an informational rationale for restrictive amendment procedures. Journal of Law, Economics, and Organization, v. 3, n. 2, pp. 287-335, 1987

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary C. R. As três versões do neo-institucionalismo. In: Lua Nova, n. 58. São Paulo, 2003

IMMERGUT, E. As regras do jogo: a lógica da política de saúde na França, na Suíça e na Suécia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 30, n. 11, pp. 139-163, 1996.

KREHBIEL, Keith. Information and legislative organization. Ann Arbor: The University of Chicago Press, 1991

LEMOS, Leany Barreiro. O sistema de comissões no Senado brasileiro: hierarquia e concentração de poderes nos anos 90. In: LEMOS, Leany Barreiro (org). O Senado Federal no Pós-Constituínte. Brasília: Senado Federal, Unilegis, 2008.

LEMOS, Leany Barreiro. O Congresso Brasileiro e a Distribuição de Benefícios Sociais no Período 1988-1994: Uma Análise Distributivista. Dados, vol. 44, no 3, pp. 561-605, 2001.

LIJPHART, Arend. Modelos de Democracia: Desempenho e Padrões de Governo em 36 Países. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

LIMONGI, Fernando. O novo institucionalismo e os estudos legislativos: a literatura norte-americana recente. Boletim Informativo Bibliográfico, Rio de Janeiro, n. 37, pp. 3-38, 1994.

LIMONGI, Fernando. Processo Orçamentário e Comportamento Legislativo: Emendas Individuais, Apoio ao Executivo e Programas de Governo. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 48, no 4, 2005, pp. 737 a 776, 2005.

LIMONGI, Fernando. O novo institucionalismo e os estudos legislativos: a literatura norte-americana recente. Boletim Informativo Bibliográfico, Rio de Janeiro, n. 37, pp. 3-38, 1994.

LIMONGI, Fernando; FIGUEIREDO, Argelina. Bases institucionais do presidencialismo de coalizão. Lua Nova, São Paulo, n.44, 1998.

LLANOS, M & NOLTE, Detlef (2003), Bicameralism in the Americas: Around the Extremes of Symmetry and Incongruence. The Journal of Legislative Studies, vol. 9, n. 3, autumn, pp. 54-86.

MAINWARING, S. & SHUGART, Matthew. Presidentialism and Democracy in Latin América. Cambridge University Press,1997.

MAINWARING, Scott. Sistemas Partidários: o caso do Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

MAYHEW, David. Divided we govern: party control, lawmaking, and investigations, 1946-1990. New Haven: Yale University Press, 1991.

MIRANDA, Geralda Luiza. A delegação aos líderes partidários na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, v. 18, n. 37, p. 201-225, 2010.

POLSBY, Nelson. (1968). The institutionalization of the U.S. House of Representatives. American Political Science Review, vol. 62, nº1, pp. 47-60.

POLSBY, Nelson. (1968). The institutionalization of the U.S. House of Representatives. American Political Science Review, vol. 62, nº1, pp. 47-60.

RICCI, Paolo (2008). A produção legislativa de iniciativa parlamentar no Congresso: diferenças e similaridades entre a Câmara dos Deputados e o Senado Federal. In: LEMOS, Leany Barreiro (org). O Senado Federal no Pós-Constituínte. Brasília: Senado Federal, Unilegis, 2008.

SANTOS, Fabiano Mendes (2003). O Poder Legislativo no Presidencialismo de Coalizão. Editora UFMG/Iuperj.

SANTOS, Fabiano Mendes e ALMEIDA, Acir (2005). Teoria Informacional e a Seleção de Relatores na Câmara dos Deputados. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 48, no 4, pp. 693 a 735.

SARTORI, Giovanni. Teoria da Democracia Revisitada: o debate contemporâneo. São Paulo: Editora Ática, 1994.

SHEPSLE, K. & WEINGAST, B. Positive theories of congressional institutions. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1995.

SHUGART, Matthew S.; CAREY, John M. Presidents and Assemblies. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

TSEBELIS, George (1998). Jogos Ocultos: Escolha Racional no Campo da Política Comparada. São Paulo: Edusp.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v3i2.168

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Paulo Magalhães Araújo



                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia