MONETIZAÇÃO DE DADOS PESSOAIS NA INTERNET: COMPETÊNCIA REGULATÓRIA A PARTIR DO DECRETO Nº 8.771/2016

Victor Miguel Barros de Carvalho, Patrícia Borba Vilar Guimarães, Adriana Carla Silva de Oliveira

Resumo


O presente artigo analisa as disposições constantes no Decreto 8.771/2016 sobre a regulação da monetização dos dados pessoais no âmbito da internet. Num mundo cada vez mais conectado e interligado, com enorme produção de dados e informações – mormente de dados pessoais – muitos agentes econômicos passaram a utilizar tais dados como insumos em seus modelos de negócio. Neste cenário, promulgouse a Lei nº 12.965/2014, o Marco Civil da Internet. Tal diploma previu certos direitos e garantias aos usuários da rede mundial de computadores – como o direito à inviolabilidade da privacidade e intimidade e a proteção dos dados pessoais. Todavia, algumas de suas disposições demandaram regulamentação e, neste escopo, editou-se o Decreto 8.771/2016, que trata, entre outros assuntos, da previsão de atuação regulatória do poder público sobre atividades relacionadas aos dados pessoais. Sobre estas disposições é que o presente artigo se debruçou. Como metodologia, analisou as determinações do Decreto em conjunto com as do Marco Civil, de normas relacionadas e posicionamentos doutrinários acerca do tema, deles procurando extrair diretivas regulatórias da monetização de dados. Teve como objetivo específico aferir a competência para editar atos que regulem atividades relacionadas aos dados pessoais. Entre os resultados, encontrou que certos dispositivos restaram imprecisos na distribuição de competências, e que os entes arrolados pelo legislador não são inteiramente competentes para regular o tema em fito. Concluiu que, apesar desta lacuna legal, os dados pessoais contam com certa proteção da lei, sugerindo, ainda, pela criação de ente regulador próprio e competente para regular esta matéria.


Palavras-chave


Dados Pessoais; Decreto 8.771/2016; Internet; Regulação

Texto completo:

PDF XML

Referências


ALVES, Fabrício Germano. Análise da possibilidade de regulação da publicidade comportamental (behavioral advertising) pelo microssistema consumerista. Revista de Direito, Globalização e Responsabilidade nas Relações de Consumo. Brasília, v. 2, n. 1, p. 208-223, Jan/Jun. 2016.

ARAGÃO, Alexandre Santos de. Agências Reguladoras e a evolução do Direito Administrativo Econômico. 3ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013.

BRASIL. Agência Nacional de Telecomunicações. Resolução nº 632, de 7 de março de 2014. Aprova o Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações – RGC. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

BRASIL. Agência Nacional de Telecomunicações. Reclamações registradas na Anatel caem 19,9% em abril. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2017.

BRASIL. Decreto nº. 8.771, de 11 de maio de 2016. Regulamenta a Lei no 12.965, de 23 de abril de 2014, para tratar das hipóteses admitidas de discriminação de pacotes de dados na internet e de degradação de tráfego, indicar procedimentos para guarda e proteção de dados por provedores de conexão e de aplicações, apontar medidas de transparência na requisição de dados cadastrais pela administração pública e estabelecer parâmetros para fiscalização e apuração de infrações. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Código de Defesa do Consumidor. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997. Dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos institucionais, nos termos da Emenda Constitucional nº 8, de 1995. Disponível em: . Acesso em 21 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.529, de 30 de novembro de 2011. Estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência; dispõe sobre a prevenção e repressão às infrações contra a ordem econômica; altera a Lei no 8.137, de 27 de dezembro de 1990, o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal, e a Lei nº 7.347, de 24 de julho de 1985; revoga dispositivos da Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994, e a Lei nº 9.781, de 19 de janeiro de 1999; e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 21 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Disponível em: . Acesso em 19 out. 2017.

BRASIL. Projeto de lei da Câmara nº 53, de 2018. Dispõe sobre a proteção de dados pessoais e altera a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2018.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. CGI.br. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº 1.660.168 – RJ. Brasília. Data do julgamento: 05 de maio de 2018. Data da publicação: 05 de junho de 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

BRASIL. 2ª Vara Federal de Teresina, Piauí. Ação Civil Pública – 0025463-45.2016.4.01.4000. Requerente: Ministério Público Federal. Requerida: Google Brasil Internet LTDA. Juiz Federal Márcio Braga Magalhães. Data de julgamento: 29 jan. 2018. Data de Publicação: 29 jan. 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2018.

BRASIL. 9ª Vara Cível da Justiça Federal de São Paulo. Ação Civil Pública – nº 5009507-78.2018.4.03.6100. Requerente: Ministério Público Federal. Requerida: Microsoft Informática LTDA, União. Juíza Federal Cristiane Farias Rodrigues dos Santos. Data de julgamento: 27 abr. 2018. Data de publicação: 27 abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2018.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Agências reguladoras e poder normativo. Revista Eletrônica de Direito Administrativo Econômico, Salvador, Instituto Brasileiro de Direito Público, nº 9, fev./mar./abr., 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 de maio de 2017.

CHERRY, Denny. Fundamentos da privacidade digital. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

DONEDA, Danilo; MENDES, Laura Schertel. Data protection in Brazil: New Developments and Current Challenges. In: GUTWIRTH, Serge, et al (eds.). Reloading Data Protection: Multidisciplinary Insights and Contemporary Challenges. Dordrecht (Holanda): Springer, 2014. p. 03-20.

DONEDA, Danilo. Da privacidade à proteção de dados pessoais. Rio de Janeiro: Renovar, 2006. 448 p.

DOWARD, Jamie; GIBBS, Alice. Did Cambridge Analytica influence the Brexit vote and the US election? 2017. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2018.

GRASSEGGER, Hannes; KROGERUS, Mikael. How Cambridge Analytica used your Facebook data to help the Donald Trump campaign in the 2016 election. 2017. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2018.

GRAU, Eros Roberto. A ordem econômica na constituição de 1988. São Paulo: Malheiros, 2006

HAN, Byung-Chul. La sociedad de la transparencia. Trad. Raúl Gabás. Barcelona: Herder, 2013. p. 20-21

HERNKENHOFF, João Batista. Como aplicar o Direito: (à luz de uma perspectiva axiológica, fenomenológica e sociológico-política). Rio de Janeiro: Forense, 2010.

JENTZSCH, Nicola. Monetarisierung der Privatsphäre: Welchen Preis haben persönliche Daten? Deutsches Institut für Wirtschaftsforschung Wochenbericht, n. 34, ago., 2014, pp. 793-798. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

LEONARDI, Marcel. Tutela e privacidade na Internet. São Paulo: Saraiva, 2011.

MARQUES NETO, Floriano de Azevedo; FREITAS, Rafael Véras de. Uber, WhatsApp, Netflix: os novos quadrantes da publicatio e da assimetria regulatória. Revista de Direito Público da Economia – RDPE, Belo Horizonte, ano 14, n. 56, p. 75-108, out./dez., 2016.

MOLINARO, Carlos Alberto; SARLET, Ingo Wolfgang. Breves notas acerca das relações entre a sociedade em rede, a internet e o assim chamado estado de vigilância. In: LEITE, George Salomão; LEMOS, Ronaldo (coord.). Marco Civil da Internet. São Paulo: Atlas, 2014.

MOREIRA, Egon Bockmann. Agências reguladoras independentes, poder econômico e sanções administrativas. In: PECI, Alketa (org.). Regulação no Brasil: desenho, governança, avaliação. São Paulo: Atlas, 2007.

MURRAY, Andrew. Information Technology Law: the law and society. New York: Oxford University Press, 2010.

PASSOS, Bruno Ricardo dos Santos. O direito à privacidade e a proteção aos dados pessoais na sociedade da informação: uma abordagem acerca de um novo direito fundamental. Dissertação (Mestrado – Faculdade de Direito) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2017. 102 f.

PECI, Alketa. Regulação comparativa: uma (des)construção dos modelos regulatórios. In:______. (org.). Regulação no Brasil: desenho, governança, avaliação. São Paulo: Atlas, 2007.

RAMOS, Pedro Henrique Soares. Neutralidade da rede e Marco Civil da Internet: um guia para interpretação. In: LEITE, George Salomão; LEMOS, Ronaldo (coord.). Marco Civil da Internet. São Paulo: Atlas, 2014. p. 165-187

RODOTÀ, Stefano. El derecho a tener derechos. Tradução de José Manuel Revuelta Lopez. 1. ed. Madrid: Trotta, 2014. 380 p.

RUARO, Regina Linden. Privacidade e Autodeterminação Informativa: obstáculos ao Estado de Vigilância?. Arquivo Jurídico – ISSN 2317-918X – Teresina-PI – v. 2 – n. 1 – Jan./Jun. De 2015 – p. 41-60.

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Obrigação de Fazer - nº 1015417-71.2017.8.26.0004. Requerente: P. H. B. S.. Requerida: UBER do Brasil Tecnologia Ltda. Foro Regional XI – Pinheiros, São Paulo/SP. Data do julgamento: 12 mar. 2018. Data da publicação: 15 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

______. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Obrigação de Fazer - nº 1023161-81.2016.8.26.0577. Relator(a):Ana Paula Theodosio de Carvalho. Órgão Julgador: 2º Turma Cível, Foro Central Cível - 2ª VC F Reg Santo Amaro/SP. Data do Julgamento: 15/12/2017; Data de Registro: 15/12/2017. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2018.

SARMENTO, Daniel. Direitos Fundamentais e Relações Privadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

SOLOVE, Daniel J. The Digital Person: technology and privacy in the information age. New York: New York University Press, 2004. p. 23-24.

SOUZA, Carlos Affonso; LEMOS, Ronaldo. Marco Civil da Internet: construção e aplicação. Juiz de Fora: Editar, 2016.

TAVARES, André Ramos. Direito Constitucional Econômico. 3 ed. São Paulo: Método, 2011.

TANNER, Adam. What stays in Vegas: the world of personal data — lifeblood of big business —and the end of privacy as we know it. New York: Public Affairs, 2014.

TEFFÉ, Chiara Spadaccini de; MORAES, Maria Celina Bodin de. Redes sociais virtuais: privacidade e responsabilidade civil. Análise a partir do Marco Civil da Internet. Pensar, Fortaleza, v. 22, n. 1, p. 108-146, jan./abr. 2017.

ZANATTA, Rafael A. F. A Proteção de Dados entre Leis, Códigos e Programação: os limites do Marco Civil da Internet, in: DE LUCCA, Newton; SIMÃO FILHO, Adalberto; PEREIRA DE LIMA, Cíntia Rosa. Direito e Internet III: Marco Civil da Internet. São Paulo: Quartier Latin, 2015, p. 447-470.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v4i1.215

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Victor Miguel Barros de Carvalho, Patrícia Borba Vilar Guimarães, Adriana Carla Silva de Oliveira



Indexadores:

                                               

      

Bases de dados e diretórios

                                                               

 

 

  

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia