OS MOTORISTAS DA PLATAFORMA UBER: FATOS, JULGADOS E CRÍTICA

Murilo Carvalho Sampaio Oliveira, Joelane Borges Costa, Anne Karolline Barbosa de Assis

Resumo


A era da indústria 4.0 e o trabalho por “parceria” proposto pelas plataformas digitais ascende no mercado de trabalho como uma nova tendência de produtividade e organização do trabalho, que repete, por sua vez, em novas vertentes, os impasses do Direito Laboral. O presente artigo tem como intuito principal examinar os impactos da economia digital na sociedade contemporânea e sua inovação nas relações de trabalho a partir dos novos arranjos oriundos dos avanços tecnológicos, tomando como exemplo sintomático o padrão da plataforma Uber. Inicia discutindo o cenário da economia digital e suas transformações nos modos de organizar a atividade empresarial, averiguando se tais mudanças se inserem no conceito de disrupção. Adiante, investiga a relação de trabalho promovida a partir da plataforma Uber, analisando como ela se insere nesse novo contexto de economia digital, e o estado de proteção jurídica dos trabalhadores “parceiros”. Com intuito de averiguar a condição formal-jurídica de liberdade dos motoristas parceiros e a plataforma Uber, analisará o perfil dos motoristas, e as condições de trabalho a eles submetidos a partir de resultados colhidos pós aplicação de questionários, afim de aferir o nível da condição econômica de hipossuficiência. Examina ainda as principais decisões judiciais que analisaram a relação jurídica da Uber e os motoristas, para, ao final, possuir elementos para concluir da desnecessidade ou necessidade dessa nova relação laboral estar protegida pelo Direito do Trabalho.

 

Palavras-chave


Economia digital; Trabalho em Plataformas digitais; Uber; Precariedade do trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, João Leal; SANTOS, Catarina Gomes. A Uber e os seus motoristas: mindthegap! In: CHAVES JÚNIOR, José Eduardo de Resende (Org.). Tecnologias Disruptivas e a Exploração do Trabalho Humano. São Paulo: Ltr, 2017.

BRASIL. 12ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. Sentença no processo nº 0010497-38.2017.5.03.0012. Belo Horizonte, 2017.

BRASIL. 33ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. Sentença no processo nº 0011359-34.2016.5.03.0112. Belo Horizonte, 2017.

CARELLI, Rodrigo de Lacerda. O Caso Uber e o Controle por Programação: de carona para o Século XIX. In: CHAVES JÚNIOR, José Eduardo de Resende (Org.). Tecnologias Disruptivas e a Exploração do Trabalho Humano. São Paulo: Ltr, 2017.

FRAZÃO, Ana. A decisão do Reino Unido sobre os motoristas da Uber: o que ela ensina?. Jota, 01 nov. 2016. Disponível em https://www.jota.info/opiniao-e-analise/colunas/constituicao-empresa-e-mercado/decisao-reino-unido-sobre-os-motoristas-da-uber-o-que-temos-aprender-com-ela-01112016 acesso em 15 dez 2018.

GAUTHIER, Gustavo. Disrupción, economia compartida y derecho. Fundación de Cultura Universitária: Montevideo, 2016.

KALANICK, Travis. Fatos e dados sobre a Uber. Disponível em: https://newsroom.uber.com/brazil/fatos-e-dados-sobre-a-uber. Acesso em 28 jan.2018.

KALIL, Renan Bernardi. Direito Do Trabalho E Economia De Compartilhamento: Apontamentos Iniciais. In: KIRA, Beatriz (Org.). Economias do compartilhamento e o direito. Curitiba: Juruá, 2017.

KRAMER, Josiane Caldas. A Economia Compartilhada e a Uberização Do Trabalho: Utopias do Nosso Tempo? Curitiba, 2017, 129 p. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Paraná. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2018, 13:00:00.

LEHDONVIRTA, Vili. The online gig economy grew 26% over the post year,Disponívelem: . Acesso em: 26 de janeiro de 2019, 09:10:00.

OLIVEIRA, Murilo Carvalho Sampaio; ASSIS, Anne Karolline Barbosa de; COSTA, Joelane Borges; Relatório da pesquisa Pibic 2018-2019 Uberização do trabalho: análise crítica das relações de trabalho prestadas por aplicativos. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2019.

SARMENTO, Daniel. Ordem Constitucional Econômica, Liberdade e Transporte Individual de Passageiros: o “caso Uber”. Rio de Janeiro, [s.n], 10 jul. 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2019, 10:30:00.

SCHOLZ, Trebor. Cooperativismo de plataforma: Os Perigos da Uberização. O Bem Comum Como Alternativa à Precarização do Trabalho e da vida. Tradução: Rafael A. F. Zanatta. São Paulo: Elefante, 2017.

SLEE, Tom. Uberização: A Nova Onda do Trabalho Precarizado. Tradução: João Peres. São Paulo: Elefante, 2017.

SMITH, Rebecca.; LEBERSTEIN, Sarah. Rights on demand: Ensuring workplace standards and worker security in the on-demand economy (New Yorl, National Employment Law Project). Disponível em: .Acessoem: 26 de janeiro de 2019, 14:20:00.

SUNDARARAJAN, Arun. The sharing economy: Then end of employment and the rise of crowd-based capitalism. Cambridge: The MIT Press, 2016.

REIS, Daniela Muradas; CORASSA, Eugênio Del maestro. Aplicativos de Transporte e Plataforma de Controle: o mito da tecnologia disruptiva do emprego e a subordinação por algoritmos. In: CHAVES JÚNIOR, José Eduardo de Resende (Org.).Tecnologias Disruptivas e a Exploração do Trabalho Humano. São Paulo: Ltr, 2017.

TEODORO, Maria Cecília Máximo; DA SILVA, Thais Claudia D'Afonseca; ANTONIETA, Maria. Disrupção, economia compartilhada e o fenômeno Uber. In: Revista da Faculdade Mineira de Direito, Belo Horizonte, v. 20, n. 39, p. 1-30, abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2019, 20:00:00.

TODOLÍ, Adrián. Análisis a la Primera Sentencia que declara la laboralidad de Rider de Glovo. 2019. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2019.

VASCONCELLOS, Antônio Gomes de; VALENTINI, Rômulo Soares. Tecnologia da Informação e seus Impactos nas Relações Capital-Trabalho. In: CHAVES JÚNIOR, José Eduardo de Resende (Org.). Tecnologias Disruptivas e a Exploração do Trabalho Humano. São Paulo: Ltr, 2017.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v6i3.493

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Murilo Carvalho Sampaio Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia