A TOGA NO DIVÃ: UMA LEITURA FREUDIANA DO DIREITO CONTEMPORÂNEO

Gabriel Heller, Luis Carlos Martins Alves Jr.

Resumo


O presente artigo parte do conceito freudiano de ilusão como erro derivado de desejos humanos que prevalecem sobre a realidade para analisar a construção de dogmas que, embora não demonstráveis, têm por objetivo caracterizar o Direito como uma verdadeira ciência, a exemplo da certeza, da uniformidade e da racionalidade. Com base em pesquisa documental e doutrinária, notadamente na obra de Jerome Frank, através do método hipotético-indutivo, traçam-se relações entre os pensamentos jurídico e psicanalítico a fim de evidenciar que o edifício jurídico pós-iluminista fundou-se em bases frágeis, promessas que, uma vez descumpridas, geraram frustrações nos operadores do Direito e nos cidadãos em geral, resultando em hostilidade. Tal hostilidade é descrita em função da noção freudiana de mal-estar na cultura. Nessa trilha, identificam-se as reações da esfera jurídico-política ao desencontro entre as promessas do Direito e suas efetivas realizações, transferindo-se o enfoque para a prática judiciária brasileira sob a égide da Constituição de 1988, em especial no Supremo Tribunal Federal. Argumenta-se que, no lugar de assumir e expor as restrições da arte do Direito, a Corte Suprema arrogou-se em competências ilimitadas formal e materialmente, tendo subjacente uma compreensão de que a prática jurídica é capaz de sanear a política nacional, proporcionar felicidade aos indivíduos e fazer avançar a História. O descompasso em face das efetivas possibilidades do Direito é compreendido, assim, como nova fonte de ilusões, frustrações e mal-estar no Direito.

Palavras-chave


Direito e Psicanálise; Ilusões; Mal-estar na cultura; Realismo jurídico; Poder Judiciário.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Ética a Nicômacos. 3. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1992.

ÁVILA, Humberto. “Neoconstitucionalismo”: entre a “Ciência do Direito” e o “Direito da Ciência”. Revista Brasileira de Direito Público. Belo Horizonte, a. 6, n. 23, out./dez. 2008. Versão digital.

________. Teoria dos princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. 17. ed. São Paulo: Malheiros, 2016.

BARROSO, Luís Roberto. A razão sem voto: o Supremo Tribunal Federal e o governo da maioria. Revista Brasileira de Políticas Públicas. Brasília, v. 5, Número Especial, 2015, p. 24-50.

________. Contramajoritário, representativo e iluminista: os papeis dos tribunais constitucionais nas democracias contemporâneas. Revista Direito & Práxis. Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, 2018, p. 2171-2228.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. 4. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2019.

BICKEL, Alexander M. The least dangerous branch: the Supreme Court at the bar of politics. 2. ed. New Haven: Yale University Press, 1986.

BIRMAN, Joel. A leitura freudiana da política. Psicologia Clínica. Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, 2016, p. 55-68.

BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone, 2006.

ENGISCH, Karl. Introdução ao pensamento jurídico. 8. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 2001.

FRANK, Jerome. Courts on Trial: myth and reality in American justice. New Jersey: Princeton University Press, 1950.

________. Law and the modern mind. New Brunswick/NJ: Transaction Publishers, 2009.

________. Say it with music. Harvard Law Review. Boston, vol. LXI, n. 6, jun. 1948, p. 921-957.

FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão (1927). In: FREUD, Sigmund. Obras completas, volume 17. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014a, p. 231-301.

________. O mal-estar na civilização (1930). In: FREUD, Sigmund. Obras completas, volume 18. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014b, p. 13-122.

________. Psicologia das massas e análise do Eu (1921). In: FREUD, Sigmund. Obras completas, volume 15. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 13-113.

GODOY, Arnaldo Sampaio Moraes de. Introdução ao realismo jurídico norte-americano. 1. ed. Brasília: Edição do autor, 2013.

GODOY, Miguel Gualano de. O Supremo contra o processo constitucional: decisões monocráticas, transação da constitucionalidade e o silêncio do Plenário. Revista Direito e Práxis, Ahead of print, Rio de Janeiro, 2020. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/44292/33905. Acesso em 31 jul. 2020.

HESSE, Konrad. Elementos de Direito Constitucional da República Federativa da Alemanha. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1998.

HUR, Domenico Uhng. Psicanálise e política: considerações sobre o Estado. Revista Gestão & Políticas Públicas. São Paulo, v. 1, n. 1, jun. 2011, p. 112-132.

JABLONER, Clemens. Kelsen and his Circle: The Viennese Years. European Journal of International Law. Oxford University Press: Cambridge, v. 9, n. 2, 1998, p. 368-385.

LARENZ, Karl. Metodologia da ciência do direito. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 2005.

LOPES, José Reinaldo Lima. O oráculo de Delfos: o Conselho de Estado no Brasil-Império. São Paulo: Saraiva, 2010.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Estado e mal-estar no discurso de Sigmund Freud. Revista Achegas. Rio de Janeiro, n.3, jan. 2003. Disponível em http://www.achegas.net/anteriores.html. Acesso em 08 jan. 2020.

MARANHÃO, Juliano. Positivismo jurídico lógico-inclusivo. São Paulo: Marcial Pons, 2012.

MARONEY, Terry A. The persistent cultural script of judicial dispassion. California Law Review. Berkeley, v. 99, n. 2, abr. 2011, p. 629-681.

MELLO, Patrícia Perrone Campos. “A vida como ela é”: comportamento estratégico nas cortes. Revista Brasileira de Políticas Públicas. Brasília, vol. 8, n. 2, ago. 2018, p. 688-718.

________. Nos bastidores do Supremo Tribunal Federal. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

MENDES, Gilmar Ferreira. Controle de constitucionalidade: aspectos jurídicos e políticos. São Paulo: Saraiva, 1990.

MERQUIOR, José Guilherme. O argumento liberal. 1. ed. São Paulo: É Realizações, 2019.

________. O liberalismo: antigo e moderno. 3. ed. São Paulo: É Realizações, 2014.

OAKESHOTT, Michael. A política da fé e a política do ceticismo. 1. ed. São Paulo: É Realizações, 2018.

PIMENTA BUENO, José Antônio. Direito Público Brasileiro e Análise da Constituição do Império. São Paulo: Editora 34, 2002.

PORTALIS, Jean-Étienne-Marie. Discours préliminaire du premier projet de Code Civil (1801). Disponível em http://classiques.uqac.ca/collection_documents/portalis/discours_1er_code_civil/discours_1er_code_civil.pdf. Acesso em 22 jul. 2020.

REALE, Miguel. Paradigmas da cultura contemporânea. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

RICOEUR, Paul. Hermenêutica e ideologias. 3. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2013.

VILLEY, Michel. Filosofia do direito: definições e fins do direito: os meios do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

________. O direito e os direitos humanos. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v7i1.585

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Gabriel Heller, Luis Carlos Martins Alves Jr.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia