A ATUAÇÃO DOS GRUPOS DE INTERESSE NAS CONSULTAS E AUDIÊNCIAS PÚBLICAS DA AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS)

Natasha Schmitt Caccia Salinas

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar a influência dos grupos de interesse nos processos decisórios da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Grupos de interesse podem ser definidos como reuniões de pessoas que atuam, de forma coordenada, para influenciar uma decisão governamental. Neste artigo, analisa-se dois meios específicos pelos quais grupos de interesse agem para influenciar a tomada de decisão das agências reguladoras: as consultas e audiências públicas. As agências reguladoras estão obrigadas, por força de lei, a realizarem consultas públicas antes de editarem atos normativos e podem, facultativamente, realizar consultas e audiências públicas previamente a qualquer tomada de decisão. Neste artigo, propõe-se a identificar quem são os grupos de interesse que mais participam das consultas públicas da ANS, bem como examinar a influência desta participação no conteúdo final da decisão tomada pela agência. Para responder a essas questões, foram utilizados dados das consultas e audiências públicas realizadas pela agência entre 2001 e 2019, extraídos da base de dados do projeto Regulação em Números da FGV Direito Rio. Ao término do artigo, será possível identificar se e em que medida a atuação dos grupos de interesse na ANS está alinhada com a literatura empírica nacional e estrangeira.


Palavras-chave


Grupos de Interesse; Agência Nacional de Saúde Suplementar; Consulta Pública; Audiência Pública; Mecanismos de Participação

Texto completo:

PDF

Referências


BAGLEY, Nicolas. Agency Hygiene. Texas Law Review, vol. 89, 2010, p. 1-14.

BAIRD, Marcello Fragano. Redes de influência, burocracia, política e negócios na Agência Nacional de Saúde Suplementar. Universidade de São Paulo (Doutorado em Ciência Política), 2017, p. 103.

BAIRD, Marcelo Fragano; FERNANDES, Ivan Filipe de Almeida Lopes. Flying in Clear Skies: Technical Arguments Influencing ANAC Regulations. Brazilian Political Science Review, vol. 8, n. 4, 2014, p. 70-92.

BRASIL (2000a). Agência Nacional de Saúde Suplementar. Resolução de Diretoria Colegiada - RDC da ANS n. 39, 27 de outubro de 2000. Dispõe sobre a definição, a segmentação e a classificação das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde. Disponível em: < http://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=Mzgw#:~:text=RESOLU%C3%87%C3%83O%20DE%20DIRETORIA%20COLEGIADA%20%E2%80%93%20RDC,Planos%20de%20Assist%C3%AAncia%20%C3%A0%20Sa%C3%BAde>. Acesso em: 5 out. 2020.

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Resolução Normativa n. 137, de 14 de novembro de 2006. Dispõe sobre as entidades de autogestão no âmbito do sistema de saúde suplementar. Disponível em: < http://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=MTExNw==>. Acesso em: 5 out. 2020.

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar. A Resolução da ANS n. 196, de 14 de julho de 2009. Dispõe sobre a Administradora de Benefícios. Disponível em: < http://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=MTQ1OQ==#:~:text=RESOLU%C3%87%C3%83O%20NORMATIVA%20%2D%20RN%20N%C2%BA%20196,sobre%20a%20Administradora%20de%20Benef%C3%ADcios.&text=I%20%E2%80%93%20promover%20a%20reuni%C3%A3o%20de,14%20de%20julho%20de%202009>. Acesso em: 5 out. 2020.

BRASIL. Lei n. 5.764, de 16 de dezembro de 1971. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5764.htm#:~:text=LEI%20N%C2%BA%205.764%2C%20DE%2016,cooperativas%2C%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias.>. Acesso em: 5 out. 2000.

BRASIL. Lei n. 9.656, de 3 de junho de 1998. Dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9656compilado.htm>. Acesso em: 5 out. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.784, de 29 de janeiro de 1999. Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9784.htm. Acesso em: 5 out. 2020.

BRASIL (2000b). Lei n. 9.961, de 28 de janeiro de 2000. Cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9961.htm>. Acesso em: 5 out. 2020.

BERNSTEIN, Marver. Regulating Business by Independent Commission. Princeton: Princeton University Press, 1955.

Centro de Pesquisas em Direito e Economia - CPDE (2020a). Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Águas (ANA). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020b) Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Rio de Janeiro, 2020b.

_____. (2020c) Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020d) Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Cinema (Ancine). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020e) Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020f) Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020g) Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Transporte Aquaviário (Antaq). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020h) Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Transporte Terrestre (Antt). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020i) Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020j) Mecanismos de Participação do Banco Central (Bacen). Rio de Janeiro, 2020.

_____. (2020l) Mecanismos de Participação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Rio de Janeiro, 2020.

CHEIT, Ross. Setting Safety Standards: Regulation in the Private and Public Sectors. Berkeley: University of California Press, 1990.

GOLDEN, Marissa Martino. Interest Groups in the Rule-Making Process: who participates? Whose voices get heard? Journal of Public Administration Research and Theory, vol. 8, n. 2, 1998, p. 245-270.

KERWIN, Cornelius; FURLONG, Scott R.; WEST, William. Interest Groups, Rulemaking, and American Bureaucracy. In: The Oxford Handbook of American Bureaucracy. Robert F. Durant, 2011. Disponível em: < https://www.oxfordhandbooks.com/view/10.1093/oxfordhb/9780199238958.001.0001/oxfordhb-9780199238958-e-25>. Acesso em: 5 out. 2020.

FRITSCHLER, A. Lee. Smoking and Politics. 4. Ed. Englewood Cliff, NJ: Prentice Hall, 1989.

FURLONG, Scott R.; KERWIN, Cornelius. Interest Group in Rulemaking: a decade of change. Journal of Public Administration Research and Theory, vol. 15, n.3, jul. 2005, p.353-370.

KERWIN, Cornelius; FURLONG, Scott R. Rulemaking: how government agencies write law and make policy. 5.ed. Thousand Oaks: CQ Press, 2018.

MAGAT, W. A.; KRUPNICK, A. J; HARRINGTON, W. Rules in the Making: a statistical analysis of regulatory agency behavior. RFF Press, 2011.

MANCUSO, W. P. O lobby da indústria no Congresso Nacional: empresariado e política no Brasil contemporâneo. São Paulo: Humanitas/Edusp, 2007.

NAUGHTON, Keith; SCHMID, Celeste; YACKEE, Susan Webb; ZHAN, Xueyong. Understanding commenter influence during agency rule development. Journal of Policy Analysis and Management, vol. 28, n. 2, 2009, p. 258-277.

SALINAS, Natasha S. C.; MARTINS, Fernanda Marques. Os Mecanismos de Participação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Revista Brasileira de Políticas Públicas, vol. 8, n. 3, dez. 2008.

SANTOS, M. L. O parlamento sob influência: o lobby da indústria na Câmara dos Deputados. Tese de Doutorado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco. Disponível em: < https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1484>. Acesso em: 5 out. 2020.

SILVA, Mariana Batista. Mecanismos de participação e atuação de grupos de interesse no processo regulatório brasileiro: o caso da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Revista de Administração Pública, vol. 46, n.4, jul./ago. 2012, p. 969-992.

STIGLER, George. The Theory of Economic Regulation. In: The Citizen and the State: essays on Regulation. Chicago: The University of Chicago Press, 1975.

WEST, William F. Formal Procedures, Informal Process, Accountability, and Responsiveness in Bureaucratic Policymaking: an institutional policy analysis. Public Administration Review, vol. 64, n. 1, 2004, p. 66-88.

YACKEE, J. W.; YACKEE, S. W. A Bias toward business? Assessing Interest Group Influence on the Bureaucracy. Journal of Politics, vol. 68, n.1, 2006, p. 128-139.

YACKEE, S. W. Sweet-Talking the Fourth Branch: the influence of interest group comments on Federal Agency Rulemaking. Journal of Public Administration Research and Theory, vol. 16, n.1, 2006, p. 103-124.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v7i1.603

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Natasha Schmitt Caccia Salinas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia