O MINISTÉRIO PÚBLICO BRASILEIRO E O ADVOGADO GERAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPÉIA: UMA BREVE COMPARAÇÃO

Peter Sester, Andreia Cristina de Oliveira

Resumo


Este artigo discorre sobre os institutos do Ministério Público do Brasil e do Advogado Geral do Tribunal de Justiça da União Europeia, por meio de comparação entre os dois; considerando o contexto jurídico, histórico e politico-cultural em que cada um está inserido. Para isso, inicialmente, serão abordadas as características da instituição brasileira; em seguida as de sua contraparte europeia; para, por fim, serem traçados paralelos, no que se refere à sua origem histórica e modo de operação similar, bem como os contrastes encontrados. Buscaremos, assim, compreender como duas instituições, que se originaram a partir da mesma figura do direito francês, foram adaptadas para as necessidades do meio em se desenvolveram.

Palavras-chave


Ministério Público; Advogado Geral; Tribunal de Justiça da União Europeia

Texto completo:

PDF

Referências


AFD: France’s national institution working for development Agence Française de Développement. Disponível em: . Acesso em 4 out. 2016.

ANÍBAL, Sérgio. Tribunal europeu deixa BCE mais à vontade para começar a comprar dívida pública. Público, Portugal, 14 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em 1 jul. 2016.

ARNULL, Anthony. The European Union and its Court of Justice, Nova York: Oxford University Press, 2006.

BERMANN, George A.; PICARD, Etienne. Introduction to French Law. Países Baixos: Kluwer Law International, 2008.

BRASIL, Código de Processo Penal. Brasília, DF: Decreto-Lei Nº 3.689, 1941. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1941.

BRASIL. Código de Processo Civil (2015). Lei Nº 13.105, 2015. Brasília, DF: Congresso Nacional, 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial Nº 11722. São Paulo, 1992. Relator: Min. Luiz Vicente Cernicchiaro. Sexta Turma. Disponível em: < https://ww2.stj.jus.br/processo/ita/documento/mediado/?num_registro=199100114960&dt_publicacao=19-10-1992&cod_tipo_documento=&formato=PDF>. Acesso em 7 jul. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade Nº 2314-4. Rio de Janeiro, 2001. Relator: Min. Moreira Alves. Disponível em: . Acesso 7 jul. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal Federal. Habeas Corpus Nº 67.931-5. Ementário 1582-1. Rio Grande do Sul, 1990; Disponível em: . Acesso em 7 jul. 2016. Cf. RE 134.515, rel. min. Carlos Velloso, j. 13-8-1991, 2ª T, DJ de 13-9-1991; HC 72.073, rel. min. Carlos Velloso, j. 2-4-1996, 2ª T, DJ de 17-5-1996

BRASIL. Superior Tribunal Federal. Medida Cautelar em Ação Direta de Inconstitucionalidade Nº 2622-4. Rondônia, 2002. Relator: Min. Sydney Sanches. Ementário Nº 2099-2. Disponível em: . Acesso: 7 jul. 2016.

BRASIL. Superior Tribunal Federal. Recurso Especial Nº195.056-1. Paraná, 1999. Rel. Min. Carlos Velloso. Disponível em: . Acesso em 7 jul. 2016.

BRUXELAS. Conselho da União Europeia. Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros que nomeia um advogado-geral do Tribunal de Justiça. 15 jun. 2015. Disponível em: . Acesso em 23 jun. 2016.

CHALMERS, Damiam; TOMKINS, Adam. European Union Public Law. Inglaterra: University of Cambridge Press, 2007.

CHURCH, Clive H.; DARDANELLI, Paolo. Twelve Key Points about Swiss Politics and Democracy. Center for Swiss Politics, Rutherford College, University of Kent, 2008. Disponível em: Acesso em 7 jul. 2016.

CRAIG, Paul; BÚRCA, Gráinne de. EU Law – Text, Cases and Materials. 5ª ed. Inglaterra: Oxford University Press, 2011.

CRAIG, Paul; BÚRCA, Gráinne de. 4ª ed. Inglaterra: Oxford University Press, 2007.

CURRICULUM VITAE de Juliane Kokott. Disponível em: . Acesso em 4 out. 2016.

DIETRICH, Andreas; WANZENRIED, Gabrielle. What determines the profitability of commercial banks? New evidence from Switzerland. 12th Conference of the Swiss Society for Financial Market Researches, Genebra, p. 2-39, 2009. Disponível em: . Acesso em 4 out. 2016.

EUROPA. Estatuto do Tribunal de Justiça da União Europeia (2004). Versão consolidada do Protocolo (n.° 3), conforme alterado pelo Regulamento (UE, Euratom) n.° 741/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de agosto de 2012 (JO L 228, de 23 de agosto 2012, p. 1), pelo artigo 9.º do Ato relativo às condições de adesão à União Europeia, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia e do Tratado que institui a Comunidade Europeia da Energia Atómica (JO L 112, de 24 de abril de 2012, p. 21) e pelo Regulamento (UE, Euratom) 2015/2422 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de dezembro de 2015 (JO L 341 de 24 de dezembro de 2015, p. 14).

EUROPA. Regulamentos Internos e de Processo: Regulamento de Processo do Tribunal de Justiça. Jornal Oficial da União Europeia, 2012.

FARIA, Luis Gustavo Joaquim de. A atuação do BNDES no Brasil e do KFW na Alemanha: uma comparação. Disponível em: . Acesso em 4 out. 2016.

FELD, Lars P.; KIRCHGÄSSNER, Gebhard. Direct Democracy, Political Culture, and The Outcome of Economic Policy: a Report on The Swiss Experience. European Journal of Political Economy. v. 16, n. 2, p. 287–306, 2000. Disponível em: . Acesso em 4 out. 2016.

FELD, Lars P.; MATSUSAKAC, John G. Budget Referendums and Government Spendind: Evidende from Swiss Cantons. Journal of Public Economics. v. 87, n. 12, dez. 2003, p. 2703-2724. Disponível em: . Acesso em 04 out. 2016.

GILLIÉRON, Gwaladys. Public Prosecutors in the United States and Europe: A Comparative Analysis with Special Focus on Switzerland, France and Germany. Monografia. (Graduação em Direito) - Faculdade de Direito da Universidade de Zurique, 2013.

GREAVES, Rose. The first Advocate General, Maurice Lagrange. In: BURROWS, Noreen; GREAVES, Rosa: The Advocate General and EC Law. Oxford Scholarships Online, 2009. Disponível em: . Acesso em 23 jun. 2016.

HINAREJOS, Alicia. Judicial Control in the European Union: Reforming Jurisdiction in the Intergovernmental Pillars. Estados Unidos: Oxford University Press, 2009.

INSTITUTO DATAFOLHA. Avaliação da Imagem da Petrobrás – Instituto Datafolha, São Paulo, 17 mar. 2015. Disponível em: . Acesso em 19 set. 2016.

LENAERTS, Koen; MASELIS, Ignace; GUTMAN, Katheleen; NOWAK, Janek Tomasz. EU Procedural Law. Inglaterra: Oxford University Press, 2014.

LODGE, J., The European Community and the Challenge of the Future. Inglaterra: Palgrave Macmillan, 1993. Introduction, p. xix.

LUXEMBURGO. Comunicado de Imprensa N° 113/15: Renovação parcial do Tribunal de Justiça e entrada em funções de um novo Membro no Tribunal Geral da União Europeia. 25 jun. 2013. 5 out. 2015. Disponível em: . Acesso em 22 jun. 2016.

LUXEMBURGO. Comunicado de Imprensa nº 121/15. Tribunal de Justiça da União Europeia. Renovação parcial do Tribunal de Justiça e entrada em funções de um novo Membro no Tribunal Geral da União Europeia. 5 out. 2015. Disponível em: . Acesso em 22 jun. 2016.

MAZZILLI, Hugo Nigro. Introdução ao Ministério Público. São Paulo: Saraiva, 2015.

PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito Constitucional Descomplicado. São Paulo: Método, 2010.

PORTO, Pedro Rui da Fontoura. Ministério Público Brasileiro: História de Uma Luta Institucional. Associação do Ministério Público Brasileiro do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2013. Princípios Institucionais do Ministério Público. Disponível em: . Acesso em 4 out. 2016.

ROBERTSON, Struan. How often does the ECJ follow Advocates General? Or should that be CJEU? Out-Law, Inglaterra, 18 out. 2010. Disponível em: . Acesso em 1 jul. 2016.

SAMPAIO, José Adércio Leite. Em: CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lenio L. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013.

SESTER, Peter. The Opinion of the Advocate General on the Announced Bond-Buying Program of the ECB. CapLaw (Swiss Capital Markets Law). Regulatory n. 34/2015. Suíça, jun. 2015. Disponível em: . Acesso em 04 out. 2016.

SHANY, Yuval. Assessing the Effectiveness of International Courts. Inglaterra: Oxford Scholarship Online, 2014. p. 277. Disponível em: . Acesso em 4 jul. 2016.

SHAPIRO, Martin M. Courts:A comparative and political analysis. Estados Unidos: The University of Chicago Press, 1986.

SUÍÇA. Constituição (1999). Federal Constitution of the Swiss Confederation of 18 April 1999 (Status as of 1 January 2016). Tradução não oficial para o inglês. Disponível em: . Acesso em 4 out. 2016.

TRATADO da União Europeia e do Tratado que institui a Comunidade Europeia com as alterações neles introduzidas pelo Tratado de Atenas. 16 abr. 2003.

TRATADO de Lisboa sobre o Funcionamento da União Europeia. Tratado da União Europeia.13 dez. 2007. Art. 256.

TRATADO de Roma que estabelece uma Constituição para a Europa, assinado em 29 out. 2004. Jornal Oficial da União Europeia. 16 dez. 2004. Art. I-29(2), e art. I-26(5).

TRIDIMAS, Takis. The Role of the Advocate General in Community Law: Some Reflections. Common Market Law Review. v. 34. n. 6, 1997. p. 1349 - 1387. Disponível em: . Acesso em 4 out. 2016.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v2i2.72

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Peter Sester e Andreia Cristina de Oliveira



                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia