É POSSÍVEL FALAR EM TEORIA NORMATIVA DIALÓGICA NO BRASIL?

Matheus Henrique dos Santos da Escossia

Resumo


O presente ensaio possui o objetivo de investigar a teoria dos diálogos constitucionais e sua aplicação no cenário jurídico-político brasileiro. Para tanto, toma-se por base a catalogação feita por Christine Bateup no artigo The Dialogic Promise, em que reparte tal teoria da seguinte maneira: i) de um lado, as empíricas (ou descritivas); ii) de outro, as normativas (ou prescritivas). Nesse sentido, o foco do presente trabalho repousa sobre essa segunda dimensão, de modo a avaliar se é adequado fazer uma mediação teórica em prol de uma teoria dialógica normativa brasileira e em que medida é pertinente tal construção. Para tanto, serão abordados quatro pontos que necessariamente essa mediação deve levar a sério, quais sejam: a) assimetria estrutural das relações sociais; b) pragmática linguística e controle discursivo (ou se é factível aproximar o diálogo institucional do diálogo entre cidadãos em uma democracia deliberativa); c) a sobreposição de funções pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que simultaneamente opera como Corte Constitucional, corte recursal e jurisdição originária; d) “Nova Separação de Poderes”. A hipótese a ser verificada é no sentido de que é inviável a construção de uma teoria dos diálogos constitucionais normativa brasileira que ultrapasse de maneira satisfatória os quatro pontos acima, sem que incorra em algum tipo de incongruência ou incompatibilidade. A justificativa desse percurso teórico se faz pertinente na exata medida em que as instituições agonizam em busca de legitimidade democrática, cuja conflituosidade política invariavelmente as colocam em xeque. A reflexão será conclusiva no sentido de aproximar os insights de uma teoria dialógica normativa à atuação das instituições, com especial ênfase na do STF, e de que modo os respectivos desenhos podem ser beneficiar desse esforço teórico.

Palavras-chave


Diálogos Constitucionais; Democracia; Desenhos Institucionais; Interpretação

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Pedro. Separação de Poderes e Medidas Provisórias.

Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2012.

ABRANCHES, Sérgio Henrique. Presidencialismo de Coalizão: o dilema

institucional brasileiro. Dados: Revista de Ciências Sociais, Vol. 31, 1,

ACKERMAN, Bruce. Adeus, Montesquieu. Revista de Direito

Administrativo, Vol. 265, 2014.

ACKERMAN, Bruce. The New Separation of Powers. Harvard Law

Review, Vol. 113, 3, 2000.

ALEXY, Robert. Constitucionalismo Discursivo. Trad. Luís Afonso

Heck. 4ª ed. Porto Alegre, RS: Livraria do Advogado, 2015.

ALEXY, Robert. Teoría de la Argumentación Jurídica: la Teoría del Discurso

Racional como Teoría de la Fundamentación Jurídica. Trad. Manuel

Atienza e Isabel Espejo. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales,

BADARÓ, Gustavo Henrique. Processo Penal. 3ª ed. São Paulo, SP: Ed.

Revista dos Tribunais, 2015.

BARNUM, David. The Supreme Court and Public Opinion: judicial

decision making in the Post-New Deal Period. The Journal of Politics,

Vol. 47, 2, 1985.

BARROSO, Luís Roberto. A razão sem voto: o Supremo Tribunal

Federal e o governo da maioria. Revista Brasileira de Políticas

Públicas, Vol. 5, 2, 2015.

BARROSO, Luís Roberto. O Novo Direito Constitucional Brasileiro: contribuições para a construção teórica e prática da jurisdição constitucional no Brasil. Belo Horizonte, MG: Editora Fórum, 2013.

BATEUP, Christine. The Dialogic Promise: assessing the normative

potential of Theories of Constitutional Dialogue. Brooklyn Law Review,

Vol. 71, 3, 2006.

BRANDÃO, Rodrigo. Supremacia Judicial versus diálogos

constitucionais: a quem cabe a última palavra sobre o sentido da

Constituição? Rio de Janeiro, RJ: Lumen Juris, 2012.

BRASIL, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA

(IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD): Brasil

e Síntese de Indicadores 2013. Disponível em:

<

nto/pnad2013/>. Acesso em: 05 de outubro de 2016.

BRASIL, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA

(IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: 2º

trimestre 2016. Disponível em:

shtm>. Acesso em: 05 de outubro de 2016.

BRASIL, MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, DEPARTAMENTO

PENITENCIÁRIO NACIONAL (DEPEN). Levantamento Nacional de

Informações Penitenciárias INFOPEN: Junho de 2014. Disponível em:

.

Acesso em: 06 de outubro de 2016.

CAMPOS, Carlos Alexandre de Azevedo. Dimensões do ativismo

judicial do STF. Rio de Janeiro, RJ: Forense, 2014.

CATTONI, Marcelo. Devido Processo Legislativo: uma justificação

democrática do controle jurisdicional de constitucionalidade das leis e

do processo legislativo. 2ª ed. Belo Horizonte, MG: Mandamentos, 2006.

CHEIBUB, José Antonio; PRZEWORSKI, Adam; SAIEGH, Sebastian.

Governos de coalizão nas democracias presidencialistas e

parlamentaristas. Dados: Revista de Ciências Sociais, Vol. 45, 2, 2002.

CITTADINO, Gisele. Pluralismo, Direito e Justiça Distributiva:

elementos da filosofia constitucional contemporânea. Rio de Janeiro,

RJ: Lumen Juris, 1999.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Jurisdição Constitucional

Democrática. 2ª ed. Belo Horizonte, MG: Arraes Editores, 2014.

DWORKIN, Ronald. Justiça para ouriços. Trad. Pedro Elói Duarte.

Coimbra: Almedina, 2011.

DWORKIN, Ronald. O Direito da Liberdade: a leitura moral da Constituição norteamericana. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo, SP: Martins

Fontes, 2006.

ELSTER, Jon. Ulysses and the Sirens: studies in rationality and

irrationality. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 1984.

ELSTER, Jon. Ulisses liberto: estudos sobre racionalidade, pré-compromisso e restrições. Trad. Cláudia Sant’Ana Martins. São Paulo, SP: Editora

UNESP, 2009.

FISHER, Louis. Constitutional Dialogues: Interpretation as Political

Process. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1988.

GINSBURG, Tom. The Global Spread of Constitutional Review. In:

Keith Whittington; Daniel Keleman; Gregory Caldeira (eds.). Oxford

Handbook of Law and Politics. New York, NY: Oxford University

Press, 2008.

GINSBURG, Tom; VERSTEEG, Mila. Why do Countries adopt

constitutional review? The Journal of Law, Economics & Organization,

Vol. 30, 3, 2014.

HÄBERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional: a sociedade aberta

dos intérpretes da Constituição. Contribuição para a interpretação

pluralista e “procedimental” da Constituição. Trad. Gilmar Ferreira

Mendes. Porto Alegre, RS: S.A. Fabris Editor, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Facticidad y Validez: sobre el Derecho y el

Estado Democrático de Derecho en términos de Teoría del Discurso.

Trad. Manuel Jiménez Redondo. 6ª ed. Madrid: Trotta, 2010.

HIEBERT, Janet. Charter conflicts: what is the Parliament role?

Montreal: McGill-Queen´s University Press, 2002.

HIEBERT, Janet. Enriching Constitutional Dialogue: viewing Parliament’s role as both proactive and reactive. Ottawa: Research and Statistics

Division, 2000.

HIRSCHL, Ran. The Political Origins of the New Constitutionalism.

Indiana Journal of Global Legal Studies, Vol. 11, 1, 2004.

HOGG, Peter; BUSHELL, Alisson. The Charter Dialogue between

Courts and Legislatures (Or Perhaps the Charter of Rights isn’t such a

bad thing after all). Osgoode Hall Law Journal, Vol. 35, 1, 1997.

JORDÃO, Eduardo; ROSE-ACKERMAN, Susan. Judicial Review of

Executive Policymaking in advanced democracies: beyond rights

review. Administrative Law Review, Vol. 66, 1, 2014.

KRAMER, Larry. Popular Constitutionalism, circa 2004. California Law

Review, Vol. 92, 4, 2004.

MARSHALL, Thomas; IGNAGNI, Joseph. Supreme Court and public

support for right claims. Judicature, Vol. 78, 3, 1994.

MENDES, Conrado Hübner. Direitos Fundamentais, Separação de

Poderes e Deliberação. São Paulo, SP: Saraiva, 2011.

NEIVA, Pedro; IZUMI, Maurício. Perfil profissional e distribuição

regional dos senadores brasileiros em dois séculos de história. Revista

Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 29, 84, 2014.

NEVES, Marcelo. Entre Têmis e Leviatã: uma relação difícil. 3ª ed. São

Paulo, SP: Wmf Martins Fontes, 2012.

NINO, Carlos Santiago. The Constitution of Deliberative Democracy.

New Haven, CT: Yale University Press, 1996.

NORTON, Andrew; ELSON, Diane. What’s behind the budget?

Politics, rights and accountability in the budget process. London:

Overseas Development Institute, 2002.

NOVELINO, Marcelo. O STF e a Opinião Pública. In: Daniel Sarmento

(Org.). Jurisdição Constitucional e Política. Rio de Janeiro, RJ: Editora

Forense, 2015.

PETTIT, Philip. Teoria da Liberdade. Trad. Renato Sérgio Pubo Maciel.

Belo Horizonte, MG: Del Rey, 2007.

POST, Robert; SIEGEL, Reva. Roe Rage: Democratic constitutionalism

and Backlash. Harvard Civil Rights-Civil Liberties Law Review, Vol.

, 2, 2007.

ROACH, Kent. The Supreme Court on trial: judicial activism or

democratic dialogue. Toronto: Irwin Law, 2001.

SAMPAIO, Marco Aurélio. A Medida Provisória no Presidencialismo

Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2007.

SAMPAIO, Marco Aurélio. Medida Provisória, Diálogo Constitucional e a Falácia de Usurpação de Poderes Legislativos pelo Executivo. Revista de Direito do Estado, Vol. 1, 4, 2006.

SARMENTO, Daniel; OSORIO, Aline. Eleições, Dinheiro e Democracia:

a ADI 4.650 e o modelo brasileiro de financiamento de campanhas

eleitorais. Direitos Fundamentais & Justiça, Ano 8, nº 26, 2014.

SARMENTO, Daniel; SOUZA NETO, Cláudio Pereira de. Controle de

Constitucionalidade e Democracia: algumas teorias e parâmetros de

ativismo. In: Daniel Sarmento (Org.). Jurisdição Constitucional e

Política. Rio de Janeiro, RJ: Editora Forense, 2015.

STONE SWEET, Alec. Constitutional Courts. Yale Law School Public

Law Working Paper, No. 233, 2011.

STRECK, Lenio Luiz. Bem jurídico e Constituição: da Proibição de

Excesso (Übermassverbot) à Proibição de Proteção Deficiente

(Untermassverbot) ou de como não há blindagem contra normas penais

inconstitucionais. Boletim da Faculdade de Direito (Universidade de

Coimbra), Vol. LXXX, 2004.

VIEIRA, Oscar Vilhena. A desigualdade e a subversão do Estado de

Direito. In: Daniel Sarmento; Daniela Ikawa; Flávia Piovesan.

Igualdade, Diferença e Direitos Humanos. Rio de Janeiro, RJ: Lumen

Juris, 2008.

VIEIRA, Oscar Vilhena. Supremo Tribunal Federal: Jurisprudência Política. 2ª ed. São Paulo, SP: Malheiros, 2002.

WALDRON, Jeremy. Law and Disagreement. New York, NY: Oxford

University Press, 1999.




DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v2i2.70

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Matheus Henrique dos Santos da Escossia



                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia