Reação a Amy Cohen

Mariana Mota Prado, Michael J. Trebilcock

Resumo


Nesta análise fascinante do nosso livro, Amy Cohen levanta uma série de questões interessantes e desafiadoras. Ao focalizar apenas os meios, o conceito de bypass institucional obscurece as disputas normativas sobre os fins? Ao rejeitar qualquer forma de ilegalidade, o conceito de bypass não pressupõe implicitamente um conceito de legitimidade que precisa ser desenvolvido? Além disso, ao tentar separar iniciativas públicas e privadas, o bypass potencialmente ignora interações complexas entre iniciativas de mercado e regulamentações governamentais? Cohen fornece exemplos reais para ilustrar as concretas implicações dessas questões a políticas públicas. 


Palavras-chave


bypasses; desenhos institucionais; governança experimental; políticas públicas

Texto completo:

PDF

Referências


Prado, Mariana Mota e Michael Trebilcock. 2019. Institutional Bypasses: A Strategy to Promote Reforms for Development. Cambridge: Cambridge University Press.

Sabel, Charles. 2012. “Dewey, Democracy, and Democratic Experimentalism.” Contemporary Pragmatism 9 (2): 35–55. https://doi.org/10.1163/18758185-90000229.

Yandle, Bruce. 1983. “Bootleggers and Baptists-The Education of a Regulatory Economist.” Regulation 7 (3): 12–16.

Yandle, Bruce e Stuart Buck. 2002. “Bootleggers, Baptists, and the Global Warming Battle.” Harvard Environmental Law Review 26 (1): 177–229.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Mariana Mota Prado, Michael J. Trebilcock

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

                                                                                                                     

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia